Novo ano, novo planejamento?


Quando chega dezembro é inevitável vermos muitas mães correndo atrás de material, de dicas para planejar o novo ano e muitas vezes compramos mais coisas do que realmente precisamos.

Mas será que realmente é preciso fazer um novo planejamento a cada final de ano? Vejo que isso demonstra o quanto estamos ainda escolarizados e tentando seguir um modelo já aprendido.

Creio que dezembro seja um momento ideal para refletirmos e reavaliarmos não só o ensino de nossos filhos, mas nossa vida como um todo. O tempo existe e ele define muitas das nossas ações. Não existe nada de especial em fazer essa reflexão em dezembro, entretanto é um mês que simboliza o começo de um novo ciclo. Sendo assim, sente e reveja seu ano, mas isso não quer dizer que necessariamente precisa começar uma nova fase no seu homeschooling.

Aqui em casa eu não sigo um calendário fixo de datas para começar e terminar determinadas “matérias”. Eu tento estabelecer objetivos para aquele ano e muitos deles acabam se repetindo, pois não foram alcançados.

Se você vai começar a planejar o novo ano, considere alguns pontos importantes:

  • não se frustre se não terminou os livros que havia determinado para este ano. Talvez você tenha colocado uma meta mais alta do que deveria ou seu filho precisou ir mais devagar. Valorize mais o que se aprendeu do que o quanto aprendeu.
  • veja se não houve mudanças na família que vão exigir mudança de metas. Se chegou bebê novo em casa, se mudaram de local, se um filho mudou de “fase” na idade e tem outros interesses…enfim. Principalmente para quem tem filho pequenos, cada ano traz novas estratégias para ensina-los.
  • continue o que foi iniciado sem se prender a datas. Sim, o ano terminou, mas não vai haver nenhum relatório a ser preenchido no qual você terá que dar satisfação sobre o que não foi finalizado.
  • verifique as razões pelas quais o objetivo do ano anterior não foi alcançado. Depois de avaliar se a meta não foi superestimada, veja se houve alguma “falha” real (muita distração desnecessária, preguiça, falta de interesse, falta de material, etc). Nem sempre existe uma falha. Na maioria das vezes o que acontece é que não estamos engessados num cronograma e temos a liberdade de respeitar o ritmo da criança, o nosso ritmo, as mudanças que acontecem no contexto familiar, visitas e passeios necessários (mas inesperados) ou simplesmente percebemos que o livro escolhido ou o tema predeterminado não era algo apropriado para aquele momento.
  • reúna todo o material que você tem em casa a fim de que não compre um livro novo sobre o mesmo assunto de algum outro que você já tenha em casa, mas tenha ficado esquecido. É claro que em alguns casos é interessante ter vários livros sobre o mesmo assunto. Mas nem sempre…
  • tenha leveza. Precisamos constantemente buscar o equilíbrio em tudo que fazemos. Essa é uma das minhas lutas. Leveza para não ser exigente demais, se cobrar demais e achar que nada do que foi feito prestou pois não atingimos as metas. Precisamos também de equilíbrio para não cair em negligência e viver de forma medíocre. Busque excelência em tudo que fizer, mas com leveza.
  • lembre-se de que as crianças são mais importantes do que o estudo das crianças. Como assim? Ás vezes, queremos tanto mostrar que elas estão aprendendo, ou desejamos que elas adquiram o melhor ensino e um nível superior de conhecimento que exigimos além do necessário. Enchemos nosso cronograma de atividades, de leituras obrigatórias, esportes, pesquisas e esquecemos de “programar” tempo para estar com elas, de dedicarmos tempo livre para simplesmente se divertir com elas e nos alegrarmos com elas.
  • priorize o ensino da Palavra de Deus aos seus filhos. Não faça um planejamento em que isso fique em segundo plano. Se você perceber que seu dia será muito cheio, com muitas intercorrências, priorize o ensino das verdades bíblicas. Se der tempo, cobre a lição de matemática. Para qualquer outra coisa é “se der tempo”, jamais para investir em suas almas.

O novo ano está chegando, mas não deixe que isso traga ansiedade ao seu coração. Busque fazer o seu melhor e ensine seus filhos a darem o melhor deles, mas tenha cuidado com os parâmetros pelos quais você avalia se um ano foi bom ou ruim.

Até 2018,

Rachel.

Comments

comments

Deixe um comentário